wibiya widget

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Crônica Poética – Beco da Fome


Beco da Fome
(um tempo atrás)

Zum-zum-zum!
Gentes.
Cheiros: frituras, cachaças, esgotos, suores.
Sol a pino. 
O Recife ardente no mormaço central.
A cidade acesa em alvoroço, crua, cotidiana, indócil, contraditória, estéril, prenhe, a suportar as mazelas, em sua ultrajante rotina centenária.

Por-do-Sol.

A moça mangueia, o moço vagueia, zonzo, o bêbado cambaleia.
Fascinantes encontros ocasionais.
Homens, mulheres, jovens, adultos, velhos, quase misturados, na lonjura dos caminhos ou da mesa ao lado.
Alternativos, loucos, excluídos, marginais.

Surgem os Poetas, achegam-se os Músicos, vários Artistas sensacionais.
Indiferente, incólume, sem pressa alguma, organicamente, a noite cai.
Espontâneo sarau a expor desconcertantes histórias de amores ímpares, (in)gloriosas aventuras citadinas, logros, quimeras, sofreres, gozos.
A crítica cáustica aos poderes.
Aguçadas ironias, sarcasmo contra os vassalos e seus maiorais.
Cruciantes, súbitas, ébrias sincronias.
Paixões nascentes, maduras, desfeitas, sem pudores.
Risos, brigas, beijos, choros, dormências, carnavais.

Meia-noite.

Insones baratas, ratazanas, polícias, gays, putas, ladrões, cheira-colas e outros viciados.
Até o dia amanhecer com sua indômita crueza incendiária.
Se chover, alaga tudo.
Aí, danou-se, as lamas se misturam – dos mangues, dos bairros, das gentes, bueiros, catedrais , conformando o denso caldo de esdrúxulas agonias, agruras terríveis, sonhos abortados, esparsas alegrias, onde a Poesia aflora  bruta –, expande, explode, urra, imola-se, goza e chora, mas não se cala.

S. R. Tuppan

.*.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bem-vind@! Sinta-se à vontade para comentar

Seguir