wibiya widget

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Poesia ~ Décima com Mote nas duas últimas linhas


Futebol Arte: Golaço!




Rola a pelota ligeira

Por todo o Planeta Bola

É campo, rua, praia, escola

Divertida brincadeira

Não há quem veja e não queira

Praqui, prali, pracolá

Dribles a desconcertar

Nem golaço mata a sede

Bola de fogo na rede

Faz a galera vibrar!


S. R. Tuppan


Fotos: Sasint on Pixabay


Imagem: Comfreak on Pixabay

.*.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Do Cerne ~ Pensamento Poético

Do Cerne


Eu sou o centro do meu mundo,
não o coração do mundo todo.

A partir de mim, tomo consciência
das coisas, de tudo;


e me percebo um Ser

com outros Seres no Mundo.


S. R. Tuppan



Collage: Tuppan + 'Equilíbrio do Mundo', Arte Yanomami
+ 'Crianças na Ciranda', por J. Lima


*



About the Core


I am the center of my world,
not the heart of the whole world.

From me, I become aware
of things, of everything;

and I realize myself a Being
with other Beings in the World.


S. R. Tuppan




.*.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

primeira oração do poeta aprendiz ~ poesia



primeira oração do poeta aprendiz


oh! musa de beleza e destemor

pupila do saber e da razão

dá-me, bela, o puro indômito amor

e dar-te-ei, feliz, o meu coração


S. R. Tuppan






. * .

terça-feira, 11 de abril de 2017

Humores Temporais ~ Crônica



Humores Temporais


Manhã de Outono agradável no Recife, clima ameno, após as chuvas – entre nuvens persistentes, algum indício de sol.

Quartetos de Beethoven mais documentário sobre Roberto Rosselini, Anna Magnani, Ingrid Bergman e os filmes Stromboli e Vulcano.

Risos com a sofrível “crônica” da empolgada, sem noção, mulher do justiceiro da moda, a virar ‘piada’ nos blogs e redes sociais na inescapável Internet.

Em contraponto a tal cometimento antiliterário, a irônica ‘Sanidade Total à Brasileira’, da lavra do Verdadeiro Escritor Urariano Mota – este sim um texto digno de menção, a nos divertir e instigar com as impagáveis notas de surrealismo da vida na cidade e o seu rotineiro desfilar de insólitos tipos, caricatos autômatos na impercebida mediocridade cotidiana, personagens reais quase inverossímeis na urgência do viver.

Após um aprazível dia caseiro de estudos, cozinha e aquele delicioso tinto orgânico, o ocaso a trazer a mais comum e serena noite outonal, anunciada por instintivo coro polifônico de brasileiríssimos sapos naturalmente a coachar.









. * .

Seguir