sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

amor tardio ~ poesia


amor  tardio


uau! eita! juntos afinal amantes loucos sim fodem bem mais alto em seu voo vívidos prosseguem botem fé gozem bebam vinho chá tim-tim eis o porvir lembrem-se do que decidem

há no filme deles rara luz forte demais ah! o importante esteve a secretar sob as desordens simples deste delírio mundano breve chuva o céu tingindo agrestes sinais

qual tudo é sorte o leve ar a noite íntima ávida ode ler flores-clave ver lindestrelas inábeis zelos suave evolar desalinho dos cabelos vidas girando em torvelinho

ri sempre assim ou não quis ninar a quem bem quer-lhe a tal sina achando em si deleite um toque por onde esvai-se o fim também lhe aquece a paz de veludo tece a calmaria a instância dos astros alumia

alisa a tez que a distância ameniza ao final do dia


S. R. Tuppan


Foto: Pixabay.com


~ * ~

terça-feira, 30 de outubro de 2018

De Onde Vem a Poesia? ~ Croniqueta


De Onde Vem a Poesia?


Dia desses, numa calorosa manhã primaveril, estava eu na vendinha perto de casa, aguardando a moça me atender.

Chega, então, um rapazola da comunidade:

E aí, Poeta!

E aí, beleza!?!

Beleza! Cortou o cabelo. E a Poesia, morgou, feito Sansão, que perde a força, quando pela a juba?

Que nada, a Poesia está sempre aí. Sabe de onde ela vem?

De dois cantos: a Poesia vem da Vida e da Imaginação.

Com olhar pensativo, ele, que gosta de rap, malemolente se vai, levando uma sacolinha com salsichas e, quiçá, alguma boa inspiração.






~ * ~